“Transformação digital com rumo certo”

10 de Outubro de 2018

O artigo de opinião de hoje fala-nos de transformação digital.

 

Transformação digital com rumo certo

Se está lendo este post, provavelmente já sabe que o mercado está a passar por mudanças profundas, e que as empresas precisam adaptar-se para crescer ou mesmo sobreviver. Como o digital é um fator acelerador, é lógico querer embarcar nesta onda o mais rapidamente possível. Mas será que, para isto, basta adotar novas tecnologias?

Quando falamos de Transformação Digital, uma armadilha tentadora é concentrar os esforços no “digital”, de modo impulsivo e sob influência das tecnologias da moda. Antes de investir em ferramentas, é preciso pensar na componente “transformação”, que implica reflexões sobre estratégia, processos e cultura. Sim, a cultura dos seus colaboradores, clientes e parceiros pode impulsionar ou enfraquecer qualquer estratégia.

Outra questão é o âmbito da transformação, que não tem “receita de bolo” pois deve responder à realidade e aos objetivos de cada empresa. No artigo “What do you really mean by business transformation?”, Scott Anthony explica três grandes tipos de transformação:

  • Operacional: continuar fazendo o que já faz hoje, só que de modo mais eficiente. Ao automatizar uma linha de montagem, por exemplo, o processo muda bastante, enquanto o produto final, pouco ou nada;
  • Modelo de operação: alterar o que se produz e fornece, mantendo o conceito original. Foi o que a Netflix fez quando passou a transmitir vídeo online em vez de enviar e coletar DVDs;
  • Estratégica: envolve a transformação do negócio em si, para abandonar um mercado em decadência ou para explorar novas oportunidades. A Amazon nasceu como uma livraria online, mas hoje é uma potência que vai do retalho a serviços de TI na nuvem e à famosa assistente pessoal Alexa.

E na sua empresa, quais são os desafios? O crescimento de competidores mais ágeis e baratos? A dificuldade de ganhar escala? A perda de interesse do consumidor pelos seus produtos e serviços? Ou a dificuldade em convencer os seus colaboradores a adotar um novo mindset? A solução pode estar na tecnologia, mas o primeiro passo é definir o seu norte estratégico.

Como disse George Westerman, do MIT Sloan Initiative on the Digital Economy, “Quando a transformação digital é feita da forma certa, é como um lagarto transformando-se numa borboleta; mas, da forma errada, o que se tem é um lagarto bem rápido”. Planeie-se para embarcar nessa jornada com objetivos claros, mãos à obra e boa sorte!

 

Daniel Aisenberg