FLAG, porquê? “O projeto do curso deu-me a oportunidade de hoje estar a trabalhar com a produtora dos artistas Slow J & Papillon!”

27 de Junho de 2019

Vive em Barcelona e trabalha remotamente em Lisboa, conjugando o seu trabalho de freelancer em Marketing Digital & Web Design com o sonho de se tornar elite do skate feminino mundial 🛹. Trabalha diretamente com os artistas musicais Slow J & Papillon, afirma ser das profissionais mais completas do mercado, e destaca como a FLAG foi determinante na conquista dos seus objetivos profissionais e pessoais.

No curto período de 2 anos, concluiu 4 cursos na FLAG entre os quais FLAGProfessional em Web Design, e a Academia de Marketing Digital onde acabou com a média de 20 valores. 🥳👏 Este é o relato da Lúcia, que promete voltar à FLAG brevemente 🙂

 

O que te trouxe à FLAG?
ALS:
Na altura eu estava a trabalhar numa empresa de Branding onde dava apoio a questões relacionadas com o Digital, e a minha responsável aconselhou-me a ir tirar um curso de photoshop na FLAG para me tornar menos dependente dos designers na resolução de problemas simples. Quando acabei de fazer o curso de Photoshop, inscrevi-me no curso de Illustrator e logo quando acabei o de Illustrator procurei na FLAG formação de Marketing Digital, onde a Academia de Marketing Digital me pareceu ser a melhor escolha. Um mês depois inscrevi-me também no curso FLAGProfessional de Web Design, e só não ia à FLAG literalmente ao Domingo! (risos)

 

Conta-nos como era conciliar 2 formações, com o teu trabalho full-time e um projecto final para entregar?
ALS: O meu objetivo era claro: eu queria investir o máximo em formação para agrupar o maior número de ferramentas necessárias e tornar-me numa Freelancer de referência. Assim, com total liberdade criativa e estratégica, poderia trabalhar remotamente a partir de Barcelona, – que é a meca do skate- , e a par disso ser financeiramente auto-sustentável para investir na evolução no skate. Eu não ganho dinheiro a andar de skate, e não queria que isso no futuro se tornasse um impeditivo para deixar de andar, e deixar de lutar pelos meus sonhos. Esta foi a estratégia que montei e consegui.
Em suma, e respondendo à pergunta: nem sempre foi fácil, mas tendo clareza quanto aos meus objetivos finais, e com muito apoio dos meus pais, tudo se tornou possível. Voltava a fazer tudo igual.

 

O que mudou depois de frequentares a FLAG?
ALS:
Hoje considero-me uma das profissionais mais completas do mercado, com uma liberdade criativa e estratégica conquistada tanto na Academia de Marketing Digital como no curso FLAGProfessional em Web Design que me permite oferecer um serviço completo ao cliente, com uma visão tanto estética como estratégica.
A formação da FLAG é completamente diferente do ensino tradicional a que estamos habituados. A formação é focada na prática, dá-te as ferramentas necessárias para que possas posteriormente evoluir de forma intuitiva e prepara-te para a resolução de  problemas no mercado de trabalho.

 

Quais foram os teus maiores desafios para entrares no mercado de trabalho?
ALS:
Na verdade, as coisas aconteceram naturalmente. Tive a oportunidade quando ainda estava na FLAG de trabalhar no crescimento digital da marca PT Ricardo Lino, um dos Personal Trainers de maior sucesso em Portugal, – foi a ponte entre a FLAG, o “ganhar experiência”, e o “enfrentar o mercado de trabalho”. E a partir daí, surgiram outras oportunidades.
Mas foi graças ao projeto final da Academia de Marketing Digital que tive a oportunidade de explorar o marketing na indústria musical, e hoje estar a trabalhar com alguns artistas, entre os quais Papillon & Slow J.

 

Qual a tua opinião sobre os formadores da Flag? Algum que queiras destacar?
ALS:
Para mim, um dos trunfos da Academia de Marketing Digital é sem dúvida a equipa de formadores. Todos eles são uma referência ativa no mercado de trabalho.
Além desta parte mais técnica, o que me surpreendeu foi a humildade de alguns formadores, que nos transmitiram, pela sua partilha e disponibilidade, que é possível sermos muito bons no que fazemos e mantermos-nos fiéis a nós próprios.
Compartilharam connosco, sem filtros, todos os seus conhecimentos (responsáveis pelo sucesso deles próprios), para podermos um dia ser tão bons quanto eles. Estou muito grata por isso!
Gostava de referir o Gabriel Augusto, por toda a disponibilidade que teve para me ajudar no meu projeto final do curso, e por tudo o que referi acima.

 

Em que medidas consideras que o projecto prático final na Academia é importante para a assimilação de conhecimentos?
ALS: 
A realização do projeto final é uma peça fundamental para que possas tirar o melhor partido da formação.
Como já referi, o meu projeto final deu-me a oportunidade de hoje estar a trabalhar com a Sente Isto, produtora dos artistas Slow J & Papillon, de quem, por sinal, sou muito fã!! O meu projeto abordou o potencial estratégico de marketing para o lançamento do primeiro álbum do Papillon “Deepak Looper”. Algumas das minhas propostas foram colocadas em práticas tanto para o Papillon como  para o Slow J, e assim surgiu o convite para ficar a trabalhar com estes artistas até hoje.
Aconselho vivamente a todas as pessoas que frequentam a Academia de Marketing Digital a dedicarem-se ao projeto final. É um investimento muito grande de tempo, mas que no final será uma boa forma de entrar no mercado de trabalho, conhecer pessoas e desbloquear oportunidades.

 

Como conjugas a vida de freelancer com o skate?
ALS:
No início era difícil, não foi como eu esperava. O meu valor/hora era reduzido e eu chegava a trabalhar 12/14 horas por dia para poder cumprir com os objetivos. Tinha más rotinas de sono, o que se espelhava em má alimentação e fracos resultados. Chegava a ir treinar para o ginásio de direta ou mesmo correr campeonatos sem horas de sono. Não era coerente.
No início trabalha-se muito para ganhar experiência, o dinheiro não corresponde realmente ao teu trabalho, mas há que respeitar este processo – faz parte da evolução. Isto traz experiência, portefólio, novos conhecimentos e confiança para conquistares espaço, e descobrires o teu valor real no mercado do trabalho.
Hoje já é mais fácil conjugar, apesar de não ter chegado ao meu objetivo, que é andar mais horas de skate e trabalhar menos horas. Mas posso garantir, está quase! 🙂

 

E quanto a perspectivas de carreira e objetivos futuros?
ALS:
Neste momento o meu objetivo é valorizar cada vez mais o meu trabalho enquanto freelancer, e assim poder passar mais horas a andar de skate. Quero poder ter tranquilidade mental e física, atingir uma boa performance, disputar etapas mundiais e gravar o meu vídeo de skate juntamente com a Element Portugal, – e claro, utilizar o meu know-how do digital no skate e fazer o meu próprio marketing.
Quero no fundo, equilibrar o trabalho com algo que amo muito, que é simplesmente andar de skate. Há sempre forma de fazermos o que amamos, e de lutarmos pelo que sonhamos!
Num futuro menos próximo, vejo-me como uma das maiores referências mundiais ligadas ao marketing da indústria musical e quero muito continuar a trabalhar com a Sente Isto, e poder retribuir tudo o que eles têm feito por mim. A par disso gostaria de continuar ligada à indústria do skate, no prisma de marketeer digital.
Tenho um monte de ideias na minha cabeça e creio que as coisas vão acabar por acontecer a seu tempo, com trabalho e dedicação. Agora só quero ter uma vida confortável para poder andar de skate todos os dias, competir em provas internacionais e tornar-me atleta olímpica em 2024.

 

Consideras que a formação FLAG é uma experiência a repetir?
ALS:
Claro sem dúvida, quero voltar à FLAG como formanda e também em breve como formadora. 🙂 Já sei qual é o meu próximo curso, é certo que volto em breve!

 

Vês-te a dar formação na FLAG?
ALS: Claro, é um dos meus objetivos em lista.
Uma das melhores experiências da minha vida, foi a possibilidade de dar uma formação acerca das “Boas Práticas de Marketing Digital adaptadas à Indústria Musical”, diretamente com artistas do panorama nacional. Fiquei com vontade de poder voltar a fazê-lo, num contexto FLAG.

 

Algum conselho que queiras deixar a mais pessoas que queiram trabalhar nesta área como Freelancer?
ALS:
Há sempre lugar para quem trabalha e acredita que é realmente bom, para fazer a diferença no projeto de um cliente.

 

Por último, recomendarias a FLAG?
ALS:
Óbvio que sim. A FLAG proporciona oportunidades incríveis! Sempre que posso, pratico “marketing de referência” com todas pessoas, partilhando a minha “experiência FLAG”. 🙂